• Gabriel de Campos

Week 5, a melhor semana da temporada!

A semana 5 não me trazia grandes expectativas. Ao meu ver seriam partidas de poucos pontos, muitos fumbles, interceptações, perda de jardas etc.

Mas o que aconteceu foi surpreendente!!!

Tenho o costume de assistir na televisão as partidas que, na minha opinião, serão as melhores e as outras acompanho pelo Redzone do GamePass para no dia seguinte ver os compilados.

Essa semana fiquei perdido, pois o Redzone mostrava quatro telas simultâneas e ainda não dava para captar todos os grandes momentos.

Abaixo alguns dos muitos pontos de destaque:


O calouro destruidor de defesas

A partida entre Steelers e Eagles foi a que assisti na íntegra. O matchup entre as linhas defensivas me chamou a atenção.

Chase Claypool foi o grande nome da semana, o calouro recebedor vindo da Universidade de Notre Dame jogou de forma simplesmente espetacular. Além de seus quatro touchdowns marcados, sua explosão em rotas trocando de direção acabou com a secundária dos Eagles. Sei que o setor não é nem de perto um dos melhores da NFL, entretanto o garoto tem seus méritos.

Desde o draft achei interessantes as características de Chase Claypool, e não pensei que essa seria a temporada em que ele iria começar a se mostrar para a NFL. Aparentemente a função de slot receiver que o jogador tinha em Notre Dame funcionou em Pittsburgh também. Na maioria das vezes com Juju Smith alinhado nas extremidades, James Washington ao lado oposto, um tight end e Claypool no slot. É um bom corpo de recebedores.


Atlanta Falcons e Carolina Panthers surpreendem.

O Atlanta Falcons me surpreendeu muito negativamente nesta temporada. Não enxergava uma equipe vencedora, porém da forma que está sendo é uma surpresa.

A derrota da semana foi para o Carolina Panthers, equipe esta que eu achava que faria o papel que os Falcons estão fazendo. Teddy Bridgewater e Robby Anderson estão se entendendo e McCaffrey não está fazendo tanta falta como imaginávamos, Mike Davis sabendo encontrar espaços na defesa e conduzindo muito bem o ataque terrestre. Algo que prova que running back não deve ser pago com valores absurdos. Mas isso fica para outro dia.

O head coach Dan Quinn e o general manager Thomas Dimitroff foram demitidos da equipe de Atlanta, isso soa como um recomeço. O torcedor dos Falcons não pode se surpreender com futuras trocas envolvendo Matt Ryan ou Julio Jones, que são duas moedas de troca que podem gerar escolhas de primeira e segunda rodada para Atlanta.


49ers será o lanterna da NFC West?

É muito cedo para afirmar algo desse tipo. A partida dos 49ers contra os Dolphins não é o suficiente para batermos o martelo dizendo que San Francisco já era.

Garoppolo não jogou nada bem, e isso é indiscutível. Entretanto, era a partida em que ele e Raheem Mostert voltavam de lesão. Com o retorno dessas duas peças, os Dolphins conseguiram notar que havia uma tendência ainda maior em passes para George Kittle. Assim foi feita a contenção do ataque de San Francisco.

Defensivamente os Niners estão perdidos com a falta de Nick Bosa. Era o jogador que não dava tempo para o quarterback adversário pensar, precisava de dois jogadores de linha ofensiva para contê-lo. Eu sempre digo: um pass rush forte deixa o quarterback com menos tempo para pensar, e com menos tempo, a decisão pode ser equivocada, o passe não sai com a precisão exigida e a secundária tem seu trabalho facilitado. O futebol americano é como um relógio.

Não posso deixar de parabenizar Ryan Fitzpatrick, com 78.5% de aproveitamento nos passes, 350 jardas e 3 touchdowns. Uma grande partida do quarterback de Miami que tem armas limitadas em seu ataque.


Os Raiders encontraram a fórmula para conter Mahomes

Os Raiders pararam Patrick Mahomes?

Não.

Parar Patrick Mahomes é algo muito distante da realidade da NFL, no entanto alguns times perceberam que se eles gastarem todo o relógio correndo com a bola deixando o quarterback fora de campo, o estrago é menor.

Pressionar Mahomes com blitz é um erro. Se você mandar uma pressão com 5 homens, faltará um para cobrir o fundo do campo. É muito melhor chamar jogadas com 4 ou até 3 jogadores pressionando Mahomes para o fundo do campo ficar lotado de defensores e o quarterback ter menos espaço para encontrar o seu alvo.

O erro que muitos times cometem é fazer esse tipo de marcação e não pontuar no ataque. Contra os Chiefs isso não adianta. Os Raiders venceram, porém sofreram 32 pontos. Concluímos que o ataque de Las Vegas foi espetacular e garantiu a vitória contra os atuais campeões da NFL.


Crise em Dallas

O Dallas Cowboys apresentou grandes dificuldades defensivas nos últimos jogos, e a secundária é o maior dos problemas. Quando uma defesa não consegue evitar pontuações, o ataque se sobrecarrega com o dever de sempre pontuar em suas campanhas, caso contrário o jogo pode ser considerado perdido.

Dak Prescott era o condutor das forças ofensivas. Líder da liga em passes completos e em jardas conquistadas. Estava fazendo uma boa temporada.

A partida contra o New York Giants parecia ser mais fácil para os Cowboys, e o ataque dos Giants não parecia ter condições de desorientar a defesa de Dallas. Mas o pior aconteceu.

Além da defesa ter permitido 34 pontos (e só não marcaram mais devido ao excessivo número de faltas de ataque), Dak Prescott sofreu uma lesão terrível. Foi uma fratura composta de tornozelo direito com deslocamento, que o afastará dos campos por no mínimo 6 meses.

Os Cowboys com Andy Dalton no ataque e Mike McCarthy no comando podem ir de mal a pior.


Milagres acontecem sim!

Alex Smith voltou aos gramados!

O quarterback que quebrou a tíbia e a fíbula da perna direita, teve uma infecção gravíssima e ficou meses sem esperança de retorno, voltou a jogar na NFL. É uma das maiores histórias de superação de todo o esporte!

Seu retorno foi na partida contra o Los Angeles Rams. Smith não jogou bem, mas o fato dele completar o seu primeiro passe depois de todo o sofrimento que passou no último ano foi o que poderia acontecer de mais importante.

Alex Smith, você é GIGANTE!!!


O melhor calouro da temporada

Se você leu este subtítulo, deve ter pensado em Justin Herbert.

Herbert foi simplesmente sensacional contra o New Orleans Saints. Com quatro passes para touchdown se tornou o primeiro novato da história a realizar tal feito em um Monday Night Football.

A vitória não veio devido à má administração de cronômetro, chamadas ofensivas contraditórias, um field goal que decidiria o jogo que carimbou a trave direita, mas principalmente devido ao fato de jogarem contra um dos melhores times da NFL. Os Saints com seu quarterback Drew Brees preciso e decisivo e seu técnico experiente e ousado mostraram porque são um time a ser temido.

Herbert está mostrando todo o seu potencial, e os Chargers tem uma das grandes oportunidades de sua história. Se trabalharem com o jogador de forma correta, orientando, treinando e dando valor ao mesmo, poderão garantir um futuro de muito sucesso.

Na minha visão, ele era um quarterback que deixava Oregon com um braço muito forte e preciso, porém com um processamento mental para tomada de decisões limitado. Em Los Angeles está se mostrando muito melhor, mesmo em sua primeira temporada na liga.

Um bom trabalho deve ser feito com o jogador para colocá-lo no patamar que seu potencial pode alcançar.


Tuesday Night Football e o confronto de invictos

A última vez que um jogo da NFL aconteceu na terça-feira foi em 1949. Apenas com essa informação já era possível adicionar a partida nessa lista.

O que fez esse jogo ter sido ainda melhor foi a sua imprevisibilidade. Creio que você, como eu, achava que os Bills venceriam.

Josh Allen fazendo uma temporada para brigar por MVP traz confiança para o time e para os torcedores. Mas ninguém contava com o alto número de drops e com as interceptações sofridas pelos Bills. Ryan Tannehill, assim como a defesa dos Titans jogou muito bem. Foi um jogão!


A semana 5 da NFL é uma prova de que esse esporte é imprevisível e maravilhoso. É o esporte em que nada é 100% preciso, e sempre há um porém que pode mudar todo o rumo de uma partida.


Por Gabriel de Campos - @hailmarybrasil