• Gabriel de Campos

Até os mais fortes têm pontos fracos

Atualizado: Nov 13

Os grandes times também têm problemas. Até mesmo as equipes mais fortes da temporada de 2020 passam por dificuldades em seus elencos e/ou comissão técnica.

Trago uma breve lista das equipes mais fortes da temporada que podem ser prejudicadas por alguma limitação no elenco.

Dentre os times favoritos a jogar até o final de janeiro, podemos apontar os cinco que mais se destacaram até o momento:



Seattle Seahawks

Esta posição pode ser controversa. Poderia ser ocupada pelo Green Bay Packers, Baltimore Ravens etc. Achei a colocação dos Seahawks mais adequada pois é um time que se olharmos somente o box-score de suas partidas, não teríamos noção de todos os problemas defensivos desta equipe, e perceberíamos apenas uma dificuldade contra o passe e não uma fraqueza. Russel Wilson faz muita diferença e às vezes faz o time parecer melhor do que é.

A secundária da equipe é a pior da NFL, e é muito difícil argumentar contra essa afirmação.

É a defesa que mais permitiu passes completos; a defesa que mais cedeu jardas passadas por partida com 362.1. Atlanta é a equipe que antecede os Seahawks e eles têm média de 310.6. Além disso, Seattle é a equipe que mais permite first downs por jogo (18.9) e é a sexta defesa que mais cede jardas após a recepção.

De todos os passes lançados contra a equipe, 69.4% foram completos, o quinto pior número da liga.

O safety Jamal Adams veio do New York Jets para ajudar na proteção contra o passe e eventualmente ser usado em uma blitz. O jogador custou duas escolhas de primeira rodada para os Seahawks e está muito longe de produzir o que foi esperado.

Adams participou de quatro partidas na temporada e defendeu apenas um passe em quatro jogos. O jogador foi utilizado várias vezes em jogadas de blitz, sendo esta uma de suas características. Entretanto, o quarterback adversário entende o padrão e explora a zona desprotegida.

Formações defensivas ruins e falta de talento defensivo me preocupa na defesa dos Seahawks.


imagem via peninsuladailynews.com

Green Bay Packers

Os Packers sofrem impedindo o jogo corrido adversário, com muitos tackles perdidos e falta de proteção para prevenir big plays terrestres. A partida contra o Minnesota Vikings deixou evidente este problema.

O coordenador defensivo Mike Pettine tem parte da culpa quando discutimos o trabalho defensivo da equipe. Quando assisto este time jogando, tenho a sensação de que não houve nenhum treino defensivo desde 2019. Parece que os jogadores estão por conta própria, não há correções ao longo da partida.

Outro grande empecilho da equipe é a falta de talento no corpo de recebedores. A partida contra o Tampa Bay Buccaneers nos mostrou que a concentração em Davante Adams é excessiva pois não há outro grande recebedor para Rodgers depositar sua confiança.


Baltimore Ravens

O Baltimore Ravens sofre com os problemas ofensivos na hora de passar a bola e de proteger Lamar Jackson. O quarterback é conhecido pela sua habilidade singular de correr com a bola, contudo na hora de passar a bola deixa a desejar. O quarterback não tem muita contribuição da linha ofensiva e já foi derrubado 21 vezes. As lesões dos jogadores Ronnie Stanley e Tyre Phillips dificultam ainda mais Lamar Jackson a completar passes.

Jackson tem uma média de 168 jardas por partida, é um número preocupante.

A partida dos Ravens contra o Indianapolis Colts mostrou que a defesa carrega este time quando o placar é desfavorável. A única pontuação dos Ravens no primeiro tempo foi um touchdown defensivo a partir de um fumble recuperado, o ataque não pontuou nenhuma vez em dois quartos.


Kansas City Chiefs

Os Chiefs sofrem com grandes problemas defensivos. A equipe está com bastante dificuldade para parar o jogo corrido, e isso pode ser bastante problemático em partidas de playoff.

É a quinta defesa que mais cede jardas por partida (média de 138.4), a quarta que mais permite first downs corridos por jogo (média de 8.4) e a sétima defesa que mais cede jardas corridas por tentativa (média de 4.8). São números preocupantes.

A linha ofensiva também é muito ruim, porém os números são mascarados pela eficiência de Mahomes contra a blitz.

Outro problema que pode prejudicá-los nas partidas decisivas é a dificuldade de assumir a liderança do placar no início da partida. Este não é um problema recente, na temporada passada os Chiefs foram conhecidos por realizar grandes viradas na caminhada ao Super Bowl.

Contar com a sorte em todos os jogos não é uma boa estratégia.

Começar os jogos atrás do placar é um problema.


imagem via arrowheadpride.com

Pittsburgh Steelers

Pittsburgh é um time que tem problemas ofensivos, e podemos ver que o ataque não é aproveitado da forma que deveria.

Com Ben Roethlisberger, os recebedores se limitavam em receber um passe mais curto. É um corpo de recebedores muito veloz com jogadores qualificados na hora de quebrar a marcação executando rotas.

Na partida contra Dallas, foi notória a falta de variedade ofensiva. O jogo corrido e o aéreo se mantiveram no básico e não buscaram explorar a fraca defesa dos Cowboys. Nas próximas duas partidas haverá a oportunidade de testar jogadas mais ousadas e variar o playbook, em um ataque que se limita quando não precisa.

Big Ben está com COVID-19 e deverá ficar fora de duas partidas, contra os Bengals e contra os Jaguars. Não são jogos difíceis e Mason Rudolph pode dar conta de liderar esse ataque sem grandes problemas.



por Gabriel de Campos

Siga @hailmarybrasil