• Vick

Stephanie Soares, não existem muitas como ela

A brasileira de apenas 20 anos, já está na lista de nomes ressaltados para o futuro da WNBA. A pivô além de se destacar por possuir 1,98m de altura, sendo capaz de enterrar com facilidade, tem conquistado muitas vitórias dentro da quadra, e o seu talento tem chamado muito a atenção tanto no Brasil quanto no exterior. O fruto de suas habilidades certamente é o amor pelo basquete, que surgiu super cedo em sua vida.




Stephanie Soares joga basquete desde pequena, os pais dela – ambos ex-jogaodres – sempre incentivaram a atleta a praticar o esporte, e assim foi conquistando seus objetivos e rompendo obstáculos, em na sua trajetória, Stephanie já passou pelo projeto Atletas em Ação, pelo Nosso Clube, de Recife (PE), pela Mount Baker High School (Deming, WA) e pela Team XPress, uma organização sem fins lucrativos que trabalha o basquete com jovens em San Antonio, Texas.


Aos 19 anos, ela disputou a NAIA, segunda liga universitária em relevância nos EUA –atrás da NCAA– pela The Master's University, da Califórnia. Em sua primeira temporada, Stephanie registrou média de 16,2 pontos, 13,4 rebotes e quase cinco tocos por partida. Soares também recebeu o prêmio de melhor jogadora da temporada 2019/2020 da NAIA e se tornou a primeira mulher da universidade a conquistar o título.




Dave Caldwell, comentarista que trabalhou por FOX e ESPN, comentou sobre o ano de Stephanie e sua premiação.

- Eu nunca vi ninguém dominar esse esporte como Stephanie faz. A confiança que ela tem para vencer na defesa, para se dar bem no poste baixo, e em todas as funções, foi mostrada o ano inteiro - disse o comentarista.

Em 2019, foi campeã dos jogos Pan-Americanos com a seleção brasileira, sob o comando de José Neto, um dos técnicos mais vitoriosos no basquete masculino do país e que faz sua estreia no comando de um time feminino.




E no começo de março desse ano, Stephanie Soares foi eleita também a jogadora do ano da conferência Golden State Athletic e a melhor jogadora de defesa pelo segundo ano consecutivo. A brasileira recebeu ainda o prêmio de melhor da temporada da associação de técnicos do basquete feminino norte-americano (WBCA).