• Nícolas Terzioglo

Por que se apaixonar pelo College Football?

Eu poderia ficar horas e horas dizendo o quão incrível e apaixonante o College Footbal é. Mas por que? Bom, isto se dá pela atmosfera singular que envolve a modalidade. Por toda a sua pompa, esplendor, glamour, tradição e paixão que ele tem à oferecer. Ok, eu sou um viciado em Futebol Americano Universitário e portanto, suspeito pra falar sobre isso. Mas hoje eu quero te fazer um convite pra conhecer melhor o College Football, e quem sabe, se apaixonar.



Sabemos que uma partida de Futebol Americano começa muito antes de soar o apito e da bola voar no Kickoff. Não é apenas uma partida, é um grande evento, engrandecido por comentaristas e analistas, torcedores fanáticos que se aglomeram aos montes nas tradicionais cerimônias de Tailgating, a passagem das bandas marciais com torcedores entoando os cânticos (muitas vezes) centenários das universidades, até a entrada pelo portão principal dos atletas e membros das comissões técnicas.


E claro, tem também os tradicionais mascotes que abrilhantam ainda mais o espetáculo, cativando os jogadores e inflamando mais ainda os torcedores.



Algo que nota-se no primeiro instante de um partida é o entusiasmo dos atletas universitários. Pois eles jogam por amor e pela emoção de competir. Muitos dos atletas de elite escolheram estar ali, defendendo as cores, o escudo e as tradições daquela equipe. É um amor enraizado dentro dos lares, muitas vezes transmitido de pai pra filho. Claro que temos as ovelhas negras, como o Peyton Manning, que escolheu defender o Tennessee Volunteers, maior rival da universidade que seu pai, Archie defendeu (Ole Miss Rebels).


Peyton Manning/Reprodução: Tennessee Athletics

Apesar de ser o mesmo esporte, o jogo em si é bem diferente. O principal motivo? As regras. Elas são bem diferentes entre as modalidades amadora e profissional.


No College, os recebedores precisam ter apenas um pé nos limites do campo para caracterizar uma recepção. Já na NFL, os recebedores precisam ter os dois pés dentro dos limites do campo para caracterizar posse, e consequentemente, uma recepção completa.


Embora seja interessante sim este grau de dificuldade adicional da regra da NFL, porque a habilidade extra se faz necessária, deixando assim muitas jogadas mais belas, divertidas e prazerosas de se assistir, a regra da NCAA é mais branda, o que permite ver mais pontuações dos ataques. E convenhamos, todo fã de futebol americano adora ver o ataque pontuar.



Chegamos à um ponto crítico e muito interessante. A prorrogação (Overtime).


Na NFL, muitas vezes, apenas o time que vence o cara ou coroa obtém a posse da bola na prorrogação. Se esta equipe pontuar por touchdown, ela vence a partida. O método da NFL para encontrar um vencedor em jogos com prorrogação é extremamente falho e baseado principalmente na sorte.


Já no College Football, as duas equipes obtém a posse de bola na prorrogação, em disputas alternadas iniciando das 25 jardas do campo adversário. E caso o resultado da partida não seja determinado até a quinta prorrogação (5º OT), as equipes se torna obrigadas a ir para o Try, sendo necessário arriscar uma conversão de dois pontos após o touchdown.


Portanto, as regras do futebol americano universitário são muito mais justas, e sem dúvida, menos indutoras de raiva ou descontentamento.


A popularidade do College Football


O College Football é sim uma paixão e sua popularidade pode ser demonstrada através dos números. Em 2019, as 392 transmissões da temporada regular tiveram uma média de 1.839.000 telespectadores por jogo (um aumento de 2% em relação ao ano anterior) alcançando mais de 145 milhões de pessoas.


Os 38 Bowls de pós-temporada tiveram uma média de 5.037.000 de telespectadores por jogo (um crescimento de 1% em relação ao ano de 2018) alcançando 90 milhões de pessoas. A ESPN Network registrou uma audiência média de 5.736.000 de telespectadores.


O College Football Playoff (CFP) National Championship Presented by AT&T entre LSU Tigers e Clemson Tigers teve uma audiência de 27.311.000 telespectadores, um crescimento de 332 mil torcedores comparado ao ano anterior.



Os programas esportivos filiados à NCAA (FBS, FCS, DII e DIII) levaram um total de 47,5 milhões de torcedores aos estádios durante a temporada de 2019-2020. O número representa um acréscimo de 1,2 por cento comparado ao ano de 2018.


A audiência da Liga profissional vinha em uma queda preocupante, mas já pode respirar mais aliviada. Em sua centésima temporada regular, foi registrado um acréscimo de cinco por cento na audiência média em relação à temporada passada.


O crescimento foi registrado pela segunda temporada consecutiva. As notícias animam, no entanto é preocupante o fato de 11,4% dos fãs terem abandonado a modalidade desde a aposentadoria do próprio Peyton Manning, no período entre 2016 e 2017.


Se comparado friamente, o Super Bowl LIV, que atingiu quase 100 milhões de telespectadores esmaga em números os 27,5 milhões do CFP National Championship de 2020. Mas até aí, se trata do Super Bowl, o evento esportivo que mais atrai curiosos e novos fãs do esporte.


Considerações finais


Não existe um melhor ou pior, existe aquele que mais lhe agrada. O College Football se faz popular por atingir diversos estados em que não há uma franquia da NFL (Alabama, Arkansas, Nebraska, Oklahoma, dentre outros.), representando assim os torcedores daqueles estados ou simpatizantes daquelas universidades. E você, já escolheu alguma equipe universitária para torcer?


Espero que depois deste texto você veja o College Football com outros olhos e se permita se apaixonar por esta modalidade.