• Gabriel Amaral (Empacotador Pistola)

Packers 31x24 Lions: Bi da NFC North não mascara contraste entre o ataque e a defesa



Ganhar é bom. Ganhar do rival de divisão fora de casa é ótimo. Festejar o título de divisão sobre ele é melhor ainda.


Os Packers confirmaram seu favoritismo e venceram o jogo em Detroit por 31-24, garantindo o bi-campeonato da NFC North e consequentemente a vaga antecipada aos playoffs. De quebra, neste momento, a equipe ocupa a seed 1 da NFC, favorecido pela derrota dos Saints para os Eagles, e está conseguindo a folga na primeira rodada dos playoffs.


Após um início sonolento com um touchdown sofrido precocemente, os Packers vieram para o jogo, com o ataque desfilando todo o seu poderio e a defesa contando com raras jogadas de pressão com Gary e Lowry. Os irmãos Smith decepcionaram. A secundária, no geral, foi bem, principalmente Alexander e Savage.


Aaron Rodgers correu para um touchdown e passou para outros três (Adams, MVS e Tonyan) , acumulando 290 jardas totais, em mais uma jornada que o credencia, cada vez mais, a ser o jogador mais valioso da temporada.


Davante Adams segue empilhando recordes e Robert Tonyan vêm mostrando um jogador da extrema confiança do quarterback. Mas quem voltou a brilhar, demonstrando segurança, o que não era seu forte, foi Marquez Valdes Scantling. A estréia de Tavon Austin também merece destaque, pois é um jogador de qualidade que pode agregar tanto recebendo como retornando.


Green Bay garantiu a vitória após um field goal salvador de Mason Crosby, de 58 jardas, que abriu 31-14 e evitou uma maior chance de reação adversária, que ainda assim, anotou mais dez pontos nos minutos finais.


Mais do que a vitória, os torcedores esperavam uma atuação equilibrada e consistente, pois a ida à pós temporada e o título de divisão eram questão de tempo.


E é exatamente aí que se encontra a grande disparidade no time de Green Bay. Ataque e defesa são dois cenários absolutamente antagônicos, que resultam em emoções distintas, num liame entre a empolgação e a raiva.


Se por um lado, ofensivamente, a equipe beira a perfeição, com atuações magistrais de Aaron Rodgers e toda a segurança de Davante Adams, por outro, o sistema defensivo se mantém no círculo vicioso de erros que parece não ter fim.


Na noite de ontem, não bastassem os equívocos de marcação já amplamente conhecidos, com um front seven completamente "soft", sem exercer qualquer tipo de pressão no quarterback adversário, os comandados de Mike Pettine abusaram da displicência e indisciplina, ao cometerem diversas faltas, cedendo jardas gratuitamente ao time de Detroit. E isso por pouco não tirou a vitória de Green Bay.


Mais uma vez, aos fãs cabeças de queijo, resta manter a esperança de que o ataque sempre possa dominar as partidas, pois se depender da defesa, o resultado positivo tem grandes chances de não aparecer.


E jogar com tal expectativa é arriscado demais, porque nos playoffs o sarrafo sobe, a qualidade dos adversários aumenta, e as peças ofensivas do time serão as mais visadas, principalmente pelo fato de Aaron Rodgers caminhar a passos largos para ser o MVP da temporada. Todos vão adorar tirar uma "casquinha" do camisa 12, uma vez que isso pode complicar demais os Packers dentro de uma partida.


Portanto, reduzir essa disparidade entre o desempenho ofensivo e defensivo, é missão obrigatória, se a equipe quiser chegar longe na disputa.


Sabemos que temos um coordenador defensivo incapaz de modificar essa situação em tão pouco tempo, mesmo contando com um bom material humano, mas temos que acreditar que, nem que seja na base da conversa, o setor terá que evoluir.


O ataque de Green Bay pode nos levar à conquista do Superbowl. A defesa, jamais. Por isso, ainda há um longo percurso e toda empolgação deve ser contida.


Quem passa a ser contestado, assim como Mike Pettine, é Shawn Mennenga, coordenador dos special teams, pois, assim como a defesa, tal unidade tem se mostrado pouco eficaz, por conta de uma temporada muito aquém do punter J.K Scott e dos problemas ao realizar e receber retornos, que têm se mostrado corriqueiros. O único que tem sido impecável é Mason Crosby.


E assim a equipe se consolida no topo do Norte mais uma vez, com esta nova conquista que não esconde as deficiências notórias que podem pesar contra nos playoffs.


Matt LaFleur vem fazendo um excelente trabalho, estando 10-1 dentro da divisão e com dois títulos da NFC Norte. Tem liderança e criatividade para levar o time longe.


Vejo o Superbowl como sonho ainda distante, porém não impossível, desde que os principais setores da equipe possam se alinhar com regularidade e boas atuações.


O primeiro passo foi dado, mas o trabalho ainda não terminou.


O próximo jogo dos Packers será sábado (19/12), às 22:15, contra o Carolina Panthers, em Lambeau Field.


#GoPackGo