• Rafael Sant'Ana

Os Rams podem surpreender nessa temporada?

Atualizado: Set 11

Com a saída de peças importantes do elenco, o time de Los Angeles espera contrariar as expectativas na divisão NFC, uma das mais fortes da liga


Jayne Kamin-Oncea / Getty Images

Após um recorde de 9-7 e a terceira posição na divisão, o Rams se encontra com um elenco jovem e reformulado. Jogadores como o running back Todd Gurley, o wide receiver Brandin Cooks e o linebacker Cory Littleton foram embora. As mudanças não se limitaram aos jogadores, já que a comissão técnica para esse ano também está diferente.


O veterano coordenador defensivo Wade Phillips foi substituído por Brandon Staley, ex-Broncos e Bears. O coordenador de times especiais, John Fassel, dá lugar a John Bonamego, que possui grande experiência como técnico universitário e assistente na NFL. Por último, Sean McVay deixará de ser o coordenador ofensivo, função que acumulava com a de técnico e que será exercida pelo ex-quarterback Kevin O'Connell nessa temporada.


Numa tentativa de reformulação total, a franquia decidiu dar uma nova cara à sua identidade. A maioria dos fãs não aprovou as alterações no começo, até associando o novo logo a um canal de notícias local. O carneiro, mascote da equipe, também recebeu um novo design, junto com os uniformes. A ideia dividiu os torcedores, mas com o tempo parece que ela foi melhor aceita.


Reprodução/Twitter





Reprodução/Twitter


Um time novo, porém experiente


Apesar da média de idade da equipe ser de apenas 25.1 anos, alguns veteranos ainda estão presentes e serão fundamentais para o sucesso do time de L.A. Andrew Withworth vai para seu 15º ano na NFL como left tackle e é a voz da experiência da linha ofensiva.

Michael Brockers comandará a defesa depois de ter 63 tackles no total ano passado.


E é claro que não podia faltar ele: Aaron Donald. Prometendo atormentar a vida dos quarterbacks, o defensive tackle de 29 anos entra em seu 7º ano na liga. Embora não tão espetacular quanto em 2018, temporada em que teve 20.5 sacks, Donald ainda foi eficiente na defesa, conseguindo 12.5 sacks em 2019 e lidando com marcações duplas ou, às vezes, até triplas. Certamente, esses três jogadores serão referências para os mais novos.


Mesmo com pouca idade, alguns jovens já são vistos como experientes por estarem na NFL há algum tempo e terem exercido um papel ativo em campo. Por isso, com a saída de Cory Littleton para os Raiders, a comissão técnica espera que o segundo-anista Taylor Rapp assuma a responsabilidade e controle o jogo aéreo dos oponentes.


Afinal, no ano passado ele teve 100 tackles entre solos e assistências, atrás apenas do aposentado Eric Weddle e do próprio Littleton. Rapp também causou 2 interceptações em 2019, sendo um dos líderes dessa estatística. Uma expectativa foi criada em cima do novato Terrell Lewis, mas o linebacker ainda não conseguiu superar a lesão sofrida no joelho durante o Training Camp.


Algo a provar


No ataque, o quarterback Jared Goff precisará mostrar que é o nome certo para lançar as bolas para os recebedores, já que sofre críticas por ser apenas um "quarterback de sistema". Com as lesões de Gurley no último ano, Goff precisou ser mais acionado do que nunca e, talvez por isso, seu número de interceptações (que já não era muito bom) aumentou: de 12 em 2018 para 16 em 2019. Algo para ele ficar de olho.


Se Brandin Cooks não está mais em Los Angeles, o ex-quarteback de UCLA ainda terá o apoio de Robert Woods e Cooper Kupp. Os dois WRs vêm de temporadas impressionantes, com mais de 1,000 jardas de recepção cada um. Josh Reynolds também é um nome que pode contribuir para a equipe.


Na posição de tight end, Tyler Highbee vem de uma ótima temporada, sendo o 3º melhor recebedor do time, atrás de Woods e Kupp, com 734 jardas. Gerald Everett fica como a opção quando Higbee não estiver disponível, tendo recebido para 408 jardas em 2019.


Disputa acirrada


Uma história interessante para acompanhar será a disputa entre os running backs. Com a saída de Todd Gurley, a posição ficou vaga e não aparenta ter um titular absoluto. Tanto que o próprio técnico McVay declarou que provavelmente vai revezar os jogadores dessa posição nos jogos.


Malcom Brown é o mais experiente entre os quatro RBs do elenco, mas o novato Cam Akers parece ser o favorito a tocar mais na bola. Escolhido na 2ª rodada do último draft, o calouro de Florida State será exigido desde o início pela comissão técnica, segundo informação. Apesar disso, Brown deve ser o titular contra os Cowboys.


Darrell Henderson Jr. se destacou ano passado quando Gurley lidava com artrite no joelho e deve dividir toques com Akers. Porém, sua lesão na pré-temporada talvez o atrapalhe na disputa para ser o 2º recebedor. O outro novato, Xavier Jones, não deve ter muitas oportunidades.


Enfim a segurança financeira


No Hard Knocks feito pela HBO sobre os Rams e os Chargers, foi possível acompanhar a história da renovação do contrato do cornerback Jalen Ramsey. O ex-Jaguar de 25 anos se mudou para Los Angeles na última temporada por troca, e sempre deixou claro que deseja ficar por muito tempo na cidade e no Rams.



Num primeiro momento, parecia que o acordo demoraria a sair, mas finalmente a franquia renovou com Ramsey: um contrato de US$105 milhões por 5 anos. Um dos melhores da liga na sua posição e que faz uma grande diferença marcando os recebedores adversários não poderia ficar livre no mercado. Ainda mais quando ele tem o nome do time em seu sobrenome.


Falando sobre quem chuta a bola, Johnny Hekker continua como punter, mas foi o posto de kicker que sofreu uma perda significativa: "Greg The Leg" Zuerlein deixou a equipe após

7 anos e se transferiu para o Dallas Cowboys. O novato Samuel Sloman, de apenas 22 anos, terá a árdua tarefa de substituir o responsável por levar o Rams para o Superbowl LIII.


Endereço diferente


Essa será a primeira temporada que o Rams dividirá sua nova casa com os Chargers. O moderníssimo SoFi Stadium tem capacidade para 70,000 pessoas e custou entre US$ 5,5 bilhões. Infelizmente, é improvável que tenhamos fãs presentes nessa temporada, mas quando a hora chegar, será algo memorável. O enorme telão instalado no estádio impressionou os jogadores e certamente chamará a atenção de quem for assistir às partidas.


A nova casa do Rams. Wally Skalij /Los Angeles Times

Estando na divisão NFC, o Rams terá muitas dificuldades para se classificar aos playoffs. O San Francisco 49ers, vice-campeão da última temporada, o Seattle Seahawks, comandado por Russell Wilson, e o Arizona Cardinals, com Kyler Murray em seu segundo ano lançando para DeAndre Hopkins, prometem complicar a vida da equipe de Los Angeles.


Além dos adversários de divisão, o Tampa Bay Buccanners também será uma preocupação no dia 23 de novembro. O primeiro compromisso será em casa contra o Dallas Cowboys, nesse domingo (13). Enfrentar Dak Prescott, Ezekiel Elliott e Amari Cooper logo na estreia não era provavelmente o que Sean McVay gostaria, mas assim é a NFL.


No momento, o Rams conta com 53 jogadores do elenco principal, além de 16 integrantes do elenco de treino. Desses 16, é interessante ficar de olho no cornerback Donte Deayon e no safety Juju Hughes.


Chegou a hora


Com uma defesa promissora e um ataque ainda incerto, o L.A. Rams espera contrariar os críticos e fazer uma boa temporada. Às 21h20 do domingo, com transmissão da ESPN, terá início mais uma aventura da bola oval. Que os jogos comecem!