• Igor Castro

Os Bucs voltarão diferente depois da semana de folga?


Se tem um time que criou várias expectativas e ainda não empolgou é o Tampa Bay Buccaneers. O time que vinha tendo temporadas ruins nos últimos anos, viu em Tom Brady a possibilidade de voltar não só aos playoffs, mas de chegar ao Super Bowl e porque não levantar mais um Vince Lombardi. Porém, com algumas atribulações nessa temporada, Bruce Arians e Tom Brady não conseguiram ter a sintonia ideal para que o ataque dos Bucs fosse tão dominante a ponto de ser um time confiável na pós temporada.


Nesse ataque do Bucs, Tom Brady seria a cereja do bolo. O time já tinha um bom corpo de recebedores, com Mike Evans e Chris Godwin, este último teve seu melhor desempenho na temporada passada. Além disso, havia OJ Howard (antes da lesão estava jogando bem), Cameron Brate e Rob Gronkowski faziam parte de um corpo de tight end pra lá honesto. Ou seja, bastava Bruce Arians adaptar Brady a esse ataque pra lá de talentoso ao que Brady tinha de melhor. Porém, mesmo com essa parafernália toda, Brady não engrenou e Arians que se destacava muito por comandar bem quarterbacks veteranos via seu trabalho posto em cheque.


Sem tempo de aprimorar esse sistema de ataque com jogos em sequência, a folga na semana 12, venho a calhar para que Arians possa colocar o ataque do Bucs de vez nos trilhos. Se você levar em consideração o pouquíssimo tempo de preparação, pode ser que o ataque ainda não rode da maneira ideal, porém, precisamos ver alguma evolução e mudança de tática do ataque, bem como se a a nova estratégia de jogo vai beneficiar ou não Brady. Várias possibilidades poderão ser impostas para vermos um ataque do Bucs mais criativo e menos previsível, além de proteger Brady de turnovers que podem facilmente decidir os rumos da partida e do resultado em si.


A primeira coisa a ser feita, é ter utilizar melhor o seu running back. Ronald Jones II esta perto das 1000 jardas terrestres, porém, ele pode ser incluso no jogo de formas diferentes, em especial em jogadas de passe. Na época de Patriots, Brady utilizava demais seus running backs em jogadas em que havia passes de screen e isso tirava pressão sobre Brady pelo meio da linha e ao mesmo tempo, dava oportunidade aos running backs ganharem um caminhão de jardas após a primeira descida, já que linebackers e defensive backs são pegos de surpresa.

Uma grande arma correndo, Jones poderia ser uma baita arma recebendo passes, o que ajudaria e muito Tom Brady. Foto:Kim Klement/USA TODAY Sports

Outra adaptação a ser feita por Bruce Arians é desenhar jogadas em que passes de Brady resultem em recepções no meio do campo, porém, não com a necessidade tremenda ganhar muitas jardas. Em sua carreira no Patriots, Brady era fatal em conectar passes no meio do campo, sem muito ganho de jardas. As jogadas eram tão eficientes, que Brady geralmente não tinha a necessidade de lançar bolas todo o tempo para mais de 40 e 50 jardas. Gronkowski era a principal válvula de escape e com ele no elenco do Bucs, Arians poderia utilizar e muito essas jogadas pelo meio do campo. Além do Gronk, o wide receiver que atua no slot, Scott Miller se mostrou confiável e com a sua velocidade pode ganhar muitas jardas após recepção.

Gronk era um excelente alvo para Brady no Patriots, no Bucs a parceria ainda pode render mais frutos, só depende de Bruce Arians. Foto: Kim Klement/USA TODAY Sports

Por fim, o melhor aproveitamento de Evans e Godwin, na minha visão passa por outra possibilidade que Arians deveria aproveitar mais: o playaction. Como Evans e Godwin são ótimos wide receivers esticando o campo pelas beiradas do campo, jogadas de playaction não só ajudariam ambos recebedores, como beneficiaria também Tom Brady. Com um jogo terrestre explosivo e running back que tem capacidade de receber passes curtos, o playaction será mais fácil de entrar e assim Tom Brady com suas boas leituras ao queimar blitz e escanear muito bem o fundo do campo, achar Evans e Godwin será muito mais fácil.

Até aqui a dupla Evans e Godwin não renderam ainda o que podem. Talvez mudanças no esquema do ataque possam ajudar ambos e serem alvos mais ativos para Brady. Foto: Cape Breton Post

Bom, agora é esperar pra ver se essas duas semanas serviram para que Brady e Arians tenham aparado suas arestas e que assim o ataque do Bucs possa enfim engrenar e mostrar do que é capaz. Ficar do jeito que estava, não da, até porque, Brady estava exposto demais a um sistema de ataque de não da certo ao seu estilo de jogo, gerando várias interceptações e sacks. Arians tem que entender, que o melhor de Brady nesse momento é estar bem protegido dentro do pocket, ter desenhos de jogadas mais claras e de acordo com aquilo que Brady tem de melhor e aproveitar melhor a parafernália que o Bucs tem no ataque, poderão ser fundamentais não só nessa reta final de temporada regular, bem como dará ao time a possibilidade de ser competitivo nos playoffs.


0 comentário