• Gabriel de Campos

Análise da NFC North na offseason


imagem dinastyfootballfactory.com

A NFC North não foi muito disputada na temporada passada, Green Bay Packers e Minnesota Vikings brigaram pelo título da divisão sem ter grandes problemas com Chicago Bears e Detroit Lions. Os Packers foram os campeões com uma campanha de 13 vitórias e 3 derrotas, seguido dos Vikings com 10 vitórias e 6 derrotas, Bears com 8 vitórias e 8 derrotas e por fim os Lions com 3 vitórias, 12 derrotas e 1 empate.

Quero trazer uma breve análise de cada equipe durante a offseason e no final dar o meu palpite sobre como ficará o ranking da NFC North no fim da temporada regular.



Minnesota Vikings:

Os Vikings fizeram movimentações que no geral me agradaram bastante.

A saída de Steffon Diggs era necessária. Por mais que ele tenha sido um grande jogador em sua passagem pela equipe, seu rendimento em campo estava muito abaixo do esperado e seu comportamento em treinos e jogos não era bom. Xavier Rhodes também não estava bem e sua substituição foi bem feita. A aquisição do cornerback de TCU, Jeff Gladney, na primeira rodada pode ser uma boa decisão para repor a lacuna deixada por Rhodes.

Steffon Diggs por sua vez foi substituído pelo wide receiver de LSU, Justin Jefferson, outra boa escolha na primeira rodada.

Acho que a escolha do cornerback Cameron Dantzler, de Mississippi State, poderia ter sido usada em um jogador de interior de linha ofensiva. O tackle Ezra Cleveland foi uma boa escolha da equipe de minnesota, porém ao invés de adquirir outro cornerback na terceira rodada, uma atenção maior à posição de guard deveria ser dada.

No geral foi uma boa offseason até aqui. Com Adam Thielen saudável durante a temporada inteira e com Kirk Cousins mantendo o nível em que jogou, os Vikings serão ainda mais fortes na próxima temporada.


Detroit Lions:

O Detroit Lions foi um dos times que eu mais gostei no draft. Na free agency eles não trouxeram nenhum jogador extremamente qualificado, foram algumas reposições com jogadores medianos que pode fazer a diferença. Uma atenção bem grande foi dada à defesa, desde jogadores de linha até safety chegaram na equipe.

A falta de uma estrela na defesa influenciou para que a equipe não tivesse bons números no setor. A marcação contra o passe falhou e o pass rush não pressionava devidamente o quarterback adversário.

A troca de Darius Slay com os Eagles foi bem pensada, as escolhas de terceira e quinta rodada adquiridas foram bem utilizadas.

A escolha de Jeff Okudah na terceira escolha geral foi cirúrgica. Um jogador que na minha visão é o terceiro melhor defensor do draft (muitos o colocam em segundo) e que tem potencial para se tornar aquela estrela defensiva que os Lions precisam. A chegada do EDGE Julian Okwara, vai melhorar o precário pass rush da equipe.

Uma boa free agency e um ótimo draft não tornam a equipe de Detroit favorita na divisão. Ainda é um time em construção, esse ano foi dado um grande passo, se continuar assim a montagem de um elenco competitivo pode levar a metade do tempo que esperávamos.


Green Bay Packers:

Os Packers fizeram uma grande temporada no ano passado. Os números foram ótimos, Aaron Rodgers manteu-se saudável e Matt LaFleur estreou com o pé direito na equipe de Green Bay.

A free agency não teve grandes movimentos que levaram a equipe a um nível ainda mais alto ou que os colocaram uma prateleira abaixo. A saída de Brian Bulaga é sem dúvidas a maior perda, um dos melhores jogadores de linha ofensiva da liga foi para os Chargers. Blake Martinez já foi um bom nome na equipe dos Packers, na temporada passada teve momentos incompetentes que custaram caro.

A maior aquisição do time foi o wide receiver Devin Funchess, um jogador bem regular que tem qualidade para ser um substituto de Geronimo Alisson, longe de ser o novo wide receiver dois da equipe.

Para o draft nós sabíamos que o necessário era wide receivers e linebackers, nas primeiras rodadas isso não foi atendido, foi totalmente o oposto.

Eu questiono escolha de Jordan Love não por quem ele é, sim pela forma em que ela foi feita. Love é um jogador com um braço forte mas que lança muitas interceptações e é desequilibrado na hora de passar a bola. Isso dá para ser corrigido. O que me impressiona é eles terem feito uma trade up (troca com o Miami Dolphins para subir de posição) para escolhê-lo. O running back A.J Dillon foi a segunda escolha da equipe, vejo que Aaron Jones não renovará o seu contrato no ano que vêm e os Packers querem ter um running back reserva para Jamal Adams ser titular.

Os Packers não solucionaram os problemas na defesa e no corpo de recebedores da forma correta. Creio que LaFleur confia bastante no potencial do jovem recebedor Allen Lazard e que Aaron Jones será muito mais usado em jogadas de passe. Não podemos esquecer que ainda é um time competitivo.


Chicago Bears:

Não vou ficar falando da qualidade de Mitchell Trubisky. É incontestável que ele deve deixar a titularidade da equipe de Chicago. A aquisição de Nick Foles é a prova de que os Bears querem um novo titular. (caso queira algo mais aprofundado sobre o assunto, confira esse texto em que falo especificamente dos dois)

Apesar de Nick Foles ser um bom nome, acho que o EDGE Robert Quinn, vindo dos Cowboys, foi um grande movimento. A defesa dos Bears precisava de alguém ao lado de Khalil Mack, agora o pass rush dessa equipe está poderoso.

O draft dos Bears não foi bom. Ter usado sua primeira escolha de todo o draft em um tight end foi um erro. Tight ends sobram no elenco dos Bears, um recebedor ou um defensive back seria mais proveitoso.

Os Bears são conhecidos pela forte defesa, que infelizmente na temporada passada se frustrou com a falta de funcionalidade de Trubisky. Para esse ano eu vejo que é necessária uma adaptação de Nick Foles, tanto física quanto mental para o entendimento de playbook.

Gostaria de ver Matt Nagy fazendo boas chamadas, não ser previsível já é um grande salto.


Conclusão e palpites:

Essa temporada sem dúvidas contará com mais equilíbrio na NFC North. Os Lions se reforçaram mas ainda não alcançaram um nível de competitividade suficiente para brigar pelo título. Eu os coloco em quarto lugar.

Com os Bears ainda não temos certeza de como será a adaptação de Foles. Se houver um entrosamento entre o novo jogador, a comissão técnica e o restante do elenco, pode dar muito certo. Pela incerteza eu ainda os coloco em terceiro lugar.

Os Vikings ficam em segundo lugar pelo fator quarterback. Se formos comparar com o time dos Packers, vejo que Aaron Rodgers é o diferencial.

O que me deixa feliz é que a NFL é imprevisível. Por um lado eu quero que meus palpites estejam certos para eu não perder a credibilidade com vocês, mas pelo outro eu gostaria que a temporada seja imprevisível. Isso é o que torna a NFL única.


por Gabriel de Campos


Me siga no Instagram em @hailmarybrasil e no Twitter em @hailmarybr