• Heitor Santos

Guia da MLB 2020 – Divisão Central da Liga Americana. Twins, Indians, White Sox, Royals e Tigers.


Por que acompanhar a divisão?

A divisão central desse ano traz uma competitividade que não acontecia há alguns anos. Além dos fortíssimos Twins e Indians, essa temporada traz mais um competidor pelo título da divisão, os White Sox.

O time que vem de um passado recente frustrante resolveu apostar pesado na Free Agency e trouxe grandes nomes para reforçar o elenco para a temporada.

A divisão central tem tudo para ser um show de fogos de artificio esse ano. Com elencos carregados de ótimos rebatedores, o que mais teremos nesse ano é ação, seja com o ataque dos Twins, que já tem seu nome gravado na história ou na nova potencia do time de Chicago, que se prepara para desbancar seus adversários de divisão.


Objetivos na temporada.

Twins: Não há muito questionamento no favoritismo dos Twins na divisão esse ano. Claro, é muito difícil prever como a temporada de 60 jogos vai se desenrolar, mas mesmo assim, os rivais de divisão não terão tarefa fácil contra o time de Minessota.

Os Twins têm, talvez, o ataque mais poderoso da liga. Projetados para uma média de 5,29 corridas por jogo (Terceiro na liga, atrás apenas de Astros e Dodgers), todo o jogador dos Twins é uma ameaça de Home Run, esse é o grande diferencial do time.

O Objetivo do time nesse ano são os playoffs. O sonho do titulo ainda mora longe com o time atual dos Twins. É óbvio que todo time sonha e almeja o anel de campeão, esse sempre é o verdadeiro objetivo de qualquer clube quando inicia a temporada, mas se olharmos para os Twins com um olhar realista, vemos que o título ainda está algumas boas peças de distância.


Indians: O time de Cleveland não vê a hora de finalmente quebrar a maldição que assola o clube há 71 anos. A torcida da tribo pede por um título, e esse ano pode ser a última em um bom tempo.

Com o constante medo de que a principal estrela do time Francisco Lindor deixe Cleveland, o objetivo do time é finalmente quebrar a maldição, mas existe um pequeno problema nisso. Os Indians não parecem estar prontos para finalmente levantar o caneco. E mais, será que é realmente interessante para a torcida de Cleveland acabar com sua maldição em uma temporada tão estranha?

São coisas que temos que nos perguntar ao ver quais serão os objetivos do time para 2020.

White Sox: Chicago não vê uma Pós-Temporada há 12 anos, esse ano pode ser finalmente o reencontro do time com os Playoffs.

Mesmo com as ótimas contratações feitas na Off-season, os Sox ainda estão alguns degraus atrás dos Indians e Twins, a esperança do time mora muito na entropia envolvida em uma temporada de 60 jogos.

Esse precisa ser o ano dos White Sox, já que após essa temporada, a maioria dos Free agents assinados esse ano terão seus contratos expirados e provavelmente não se manterão em Chicago.

Royals: Os Royals vivem um período de reconstrução, o time está bem no meio do processo. Não é um vexame aos moldes de Marlins, Orioles e Tigers, mas está muito longe de ser um sucesso.

Se o time ficar perto do .500, a temporada dos Royals terá sido uma grande vitória.

Não é um ano de grandes ambições em Kansas City.

Tigers: Dor.

Essa é a palavra que representa o time de Detroit para esse ano. Pura e simplesmente, dor.

Não há ambição alguma nesse ano. O time ainda está em seu processo de reconstrução e dificilmente isso vai acabar tão cedo.


Como foram os últimos meses:


Twins: Os Twins vieram de uma temporada histórica, quebrando o recorde de mais Home Runs rebatidos por um time em uma temporada, algo realmente marcante. Esse recorde foi premiado com o título da divisão Central da liga americana no ano passado, dando ao time das cidades gêmeas uma passagem para a pós temporada.

A off-season dos Twins foi movimentadíssima, as principais adições foram Josh Donaldson e Kenta Maeda.

O objetivo do time era adicionar arremessadores de impacto, para suprir a maior necessidade do time. Porém, o time acabou por assinar jogadores de meio de rotação e um rebatedor que se encaixa com o estilo dos Twins, uma ameaça constante.

Indians: Os Indians vieram de uma temporada abaixo do esperado, em um ano onde a tribo não conseguiu uma vaga nos Playoffs, ficando logo atrás dos Twins.

O principal evento da off-season de Cleveland foi a troca do arremessador Corey Kluber para os Rangers em troca do Prospecto Emanuel Clase e do Outfielder Delino DeShields.

A troca ficou pior para os Indians após a suspensão de Clase por toda a temporada de 2020, o arremessador foi suspenso no anti-doping.

As principais adições para o elenco do time foi Domingo Santana, que assinou por um ano recebendo 1,5 milhões de dólares e César Hernández, que assinou por um ano e 6,5 Milhões.

White Sox: A Off-season dos White Sox foi uma das melhores coisas que aconteceu com o time em alguns anos. Com diversas contratações que fizeram um time medíocre se transformar em uma das possíveis “zebras” de 2020.

As principais adições foram: Yasmani Grandal, Gio Gonzalez, Dallas Kuechel, Steve Cishek, Edwin Encarnación e Nomar Mazara.

Esse último foi adquirido via trocas com os Rangers.

Royals: No ano passado, nenhuma grande surpresa ocorreu na temporada dos Royals, o time jogou conforme o esperado e não fez um grande barulho na liga.

Sua Inter-temporada não foi diferente, nenhuma grande troca ou contratação aconteceu.

A maior contratação do time foi Maikel Franco, que assinou por um ano e três milhões de dólares.

Tigers: O time dos Tigers teve uma temporada deprimente no ano passado, sendo o saco de pancadas da divisão mais fraca da liga no ano passado.

Diferente da temporada, a off-season dos Tigers teve alguma movimentação do time, que contratou algumas peças, porém nenhuma de verdadeiro impacto, fazendo o time não evoluir o suficiente nesse período.

As duas principais contratações foram CJ Cron e Jonathan Schoop.


Destaques Individuais:


Twins: Talento e destaque é algo que não falta em Minnesota, com um time recheado de rebatedores poderosos, a lineup completa do time é um destaque.

Mas os jogadores que mais se destacam nesse time são: Josh Donaldson, que além de ter um bastão potente, tem uma luva valiosa na terceira base, o DH veterano Nelson Cruz, que parece não sentir a idade e continua tendo uma produção elite no bastão e Miguel Sano, que será movido para a primeira base para abrir espaço pra Josh Donaldson.

Indians: Não há duvidas de quem é o maior destaque dos Indians. Francisco Lindor é o melhor Shortstop da liga, não tem nem comparação. Com sua produção incrível no bastão e uma luva mágica, Lindor está um degrau acima do restante da liga.

Outros destaques do time são: Jose Ramirez, que apresenta uma ótima produção ofensiva e o arremessador Shane Bieber, que projeta uma ERA sub-4.

White Sox: O Grande nome de Chicago nesse ano será Yasmani Grandal, que além de ser um dos melhores catchers rebatendo, é um dos melhores defendendo. É discutivelmente o melhor Catcher da liga.

Mas os destaques dos Sox não param por ai. Outro grande nome do time nesse ano será Lucas Giolito, que projeta uma ERA sub-4.

É bom ficar de olho também no Rookie Luis Robert, que vem para tomar o Center Field dos White Sox e fazer um grande trabalho por lá.

Royals: O time dos Royals não é uma máquina mortífera, na verdade está mais próximo do contrário, seus únicos destaques são o Slugger Jorge Soler, que tem um dos bastões mais fortes da liga e Adalberto Mondesi, um dos principais velocistas da liga.

Tigers: O principal talento dos Tigers esse ano é CJ Cron. Um primeira Base mediano. Não há muito do que esperar dos Tigers, o time é simplesmente ruim.

  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle