• Daniela Germano - Criadora do GirlPowerNFL

Grama Artificial: Tecnologia que atrapalha

A NFLPA publicou um artigo sobre a necessidade de que todos os estádios da NFL adotem grama natural.

O número de lesões é alarmantemente maior em campos de grama sintética:


  • 28% + lesões nos membros inferiores;

  • 32% + lesões no joelho;

  • 69% + lesões no tornozelo/pé.


Mas por que isso?


Inicialmente é interessante falarmos sobre o porque a NFL utiliza a grama sintética.


Nos anos 60 surgiu o hábito de usar esse outro tipo de grama para esportes. Basicamente, com a construção do primeiro estádio coberto, em Houston Texans, foi colocada uma cobertura transparente para manter a luz do sol dentro do campo. Porém isso prejudicava a visão dos jogadores uma vez que a luz do sol acabava se desviando para vários lados diferentes, atrapalhando nos jogos.


Foi então que, com a pintura desses painéis, optou-se pelo uso da grama artificial. Com o tempo, apesar das críticas, esse tipo de grama se estabeleceu como padrão.


Quais os motivos que levaram para essa escolha?


Além dos motivos óbvios de baixo custo de instalação e manutenção, deve-se ressaltar que a temporada é disputada no período de setembro a fevereiro, época de outono/inverno nos Estados Unidos, e não dificilmente chove e neva nessa época do ano, o que faria com que a grama ficasse muito molhada e portanto o jogo seria praticamente num lamaçal e não em um campo.


Há também questões envolvendo todas as pinturas e marcações que devem existir num campo de futebol americano, de forma que na grama artificial essa pintura permanece intacta e com melhor definição do que na grama natural.


Por fim, a necessidade de uso dos estádios para shows, festivais e etc, fazendo com que a grama sintética seja mais procurada, afinal ela geram menos prejuízos quando o campo é usado para finalidades diferentes.


Qual a opinião dos jogadores quanto ao gramado sintético?


Aí que está a polêmica. Enquanto a grama artificial é mais vantajosa financeiramente para o clube, o mesmo não pode ser dito quanto à saúde dos jogadores.


É tudo uma questão de física.

Jogadores de futebol profissional colocam níveis extremamente altos de força e rotação na superfície do campo, ou seja, muitos pulos e mudanças de rotas.


Por decorrência lógica, a grama cederá, o que geralmente libera a energia antes de ser prejudicial. Em superfícies sintéticas, há menos elasticidade, o que significa que os pés dos jogadores, tornozelos e joelhos absorverão a força, o que torna mais provável a ocorrência de lesões.


Os dados confirmam: a grama artificial é significativamente mais dura para o corpo do que a grama.


Com base nos dados de lesões da NFL coletados de 2012 a 2018, os jogadores têm uma taxa 28% maior de lesões nas extremidades inferiores sem contato com outro jogador quando jogam em grama artificial. Dessas lesões sem contato, os jogadores têm uma taxa 32% maior de lesões nos joelhos e uma taxa impressionante de 69% mais alta de lesões nos pés / tornozelos na grama sintética em comparação com a natural.



A NFLPA conjuntamente com a NFL requereram que os fabricantes de grama artificial criassem uma superfície de grama que fosse mais condizente com os pedidos dos jogadores e dos especialistas. Porém isso demanda tempo e tecnologia.


Assim, os jogadores junto com a NFLPA estão voltando seus esforços para obrigar os times a mudarem seus gramados, voltando a utilizar grama natural.


Como é feita a verificação da grama?


A NFL e NFLPA avaliam os campos de prática e de jogo por meio do teste Clegg, que mede a dureza da superfície.


O teste oferece uma avaliação rápida e simples das propriedades de resistência e rigidez de uma variedade de solos, agregados e materiais sintéticos.


O princípio básico por trás do testador de solo de impacto Clegg é obter uma medida da desaceleração de uma massa em queda livre (martelo) de uma altura definida em uma superfície sob o dispositivo.


Explicando melhor: quando o martelo atinge a superfície do solo, um acelerômetro de precisão montado no martelo alimenta sua saída para uma unidade de controle, que envia uma pontuação para o tablet, de forma wireless. Uma queda ou sequência de quedas do martelo constitui um teste chamado Clegg Impact Test (CIT).


Quais estádios tem grama natural?


Atualmente, apenas Miami e Houston — dois lugares de clima quente — são exceção e mantém grama natural em seus estádios.


O Estádio de Miami tem gramado natural desde a sua fundação. Já o estádio de Houston o campo de jogo é modificado conforme a vontade. Para os jogos de College e High school, a grama escolhida é a artificial. Já para os jogos profissionais, o Houston Texans utiliza grama natural.


Já nos Estados mais frios, Packers, Steelers e Browns mantêm com sucesso campos de grama natural.


Times como Cardinals e Raiders descobriram como fornecer uma superfície de jogo de grama natural em seus estádios cobertos.


Resumidamente, as desculpas da década de 60 não podem mais serem utilizadas para justificar o uso da grama artificial.


Afinal, convenhamos, vale mais a pena cair num campo de lama do que em um de bolinhas de polietileno congeladas.